Um grupo de amigos que anda atrás do Tacho!


floresdaaldeia @ 18:21

Sab, 27/11/04

Sob o signo dos Açores
A fome a fugir com susto
Bebemos, falámos de amores
E já saímos muito a custo

Chegaram cinco, mais um e um outro,
O satélite não deu comunicação,
A saúde foi o grande impedimento
E na França, a outra justificação

A surpresa também aconteceu:
Logo à entrada mais três,
Eram os “parabéns ao João”
GRANDE Paradense, como vês.
gttacho1.jpg
Veio finalmente o Tacho
Sem testo mas com teste fingido,
Família,dinheiro,sexo, amigos e trabalho,
Dos critérios, o sexo foi mais escolhido

Até mentiras alguém confessou,
Sem maldade, mas com carinho
«Se o meu sogro vai ao futebol,
Digo-lhe que não vou, só p’ra ir sozinho!»

E a solidariedade é tanta:
-“Ó augaciar” que vamos fazer?
Depois de molhar a garganta;
-Rifas, cabaz, vamos vender!

E tantos assuntos falados,
Do lixo, da água, do mar,
Até da boneca no carro
E das cabecinhas no ar!

Lá pagámos a dolorosa,
A pensar na ilha Terceira,
E numa alma caridosa
Com cama e comida à maneira.

Somos amigos do Tacho
Danados p’ra brincadeira,
Vamos rumar aos Açores,
Conhecer uma azoriana porreira!

Bem bebidos, bem nutridos,
Excepto o condutor,
Fomos ao Lagar de Azeite
Em Parada, sim senhor!

A visita deslumbrou,
Ficou na nossa memória,
O Agostinho captou
E vai contar a história.
gttacho4.jpg gttacho3.jpg gttacho5.jpg




Ficou assim combinado,
Para saudade não entrar,
Vamos 5.ª à noite p’ro fado
Com o ZC convidado
Na sua adega cantar

São os anos a correr
Que passam, passam sem parar,
O convite é p’ra valer
PARABÉNS, lhe vamos dar!


Aqui fica este registo
Em jeito de acta ou desata,
(Serreta rima com p…..eta
Parada de Gonta com pandeireta)
Em código limpo e visto,
Para desafiar a malta!

No dia D, do mês que ainda decorre, deste ano em que vivemos.
Assinada por todos incluindo eu próprio, que a secretariei!
asss.jpg

O Tal Teste!

Seleccione por ordem decrescente de prioridade, a tarefa que executaria:

1- Atender o bebé que chora
2- Apanhar a roupa no estendal (chove torrencialmente)
3- Fechar a torneira que jorra água abundantemente
4- Atender o telefone
5- Abrir a porta, cuja campainha não pára de tocar

NOTA: Ó “Augaciar”: não esqueças de dar a solução, no próximo número!


Dennis Amaral @ 21:49

Ter, 26/07/05

 

Voces sao demais... *Um Abraco Para Voces Todos*

Agostinho quer saber mais. @ 18:49

Qua, 01/12/04

 

Cito "Tenho para mim que um povo, um país ou uma região é tanto ou mais evoluída quanto a sua capacidade de discutir e reivindicar!".Que melhor para uma aldeia com habitantes deste potencial.. sabedoria, opiniões e formas diferentes de a entenderem,ponto essencial para que nasça a luz..mas com um objectivo comum, "o gosto pela sua terra". Que queremos mais?

Anónimo @ 17:17

Qua, 01/12/04

 



É verdade (até esta é !)
"Tudo" (insisto nas aspas e não sou farsante ou disfarçante!) é relativo!
Se não me engano é mais ou menos isto "o conhecimento depende de um outro conhecimento ou se encontra dependente do ponto de vista do sujeito".
Melhor não diria o Albert, rsrs!!!
É por isso que sou intrìnsecamente da ADRC_PG e do Benfica outros serão do Sporting do Porto e etc.
Por isso a única forma de tornarmos a discussão séria é tentarmos procurar factuar extrìnsecamente o diálogo.
FACTO UM:
Parada de Gonta é das freguesias do nosso concelho que mais população activa tem perdido nos últimos anos!
A eventual irredutibilidade do facto não retira a essência... do facto !
FACTO DOIS:
O património histórico de valor arquitectónico inquestionável da freguesia, parte já destruído, outro em vias disso pela inexorabilidade dos anos!
FACTO TRÊS:
Zonas novas de expansão habitacional sem o mínimo, diria mais, inexistência de qualquer cuidado no ordenamento, onde até duas viaturas ligeiras têm dificuldade em se cruzarem!
Se estes FACTOS, desde já, não tipificam um processo evolutivo para uma aldeia "velha e feia"...!?

Autênticos crimes (sem aspas) foram e continuam a serem cometidos e os seus responsáveis, espero eu, terão que responder no futuro perante as gerações vindouras.

Caros amigos, porque não o elemento inspirativo de um copo de bom whisky (vamos a ter cuidado com a “escrita”, ok ? rsrsrs !

Mas há mais, muito mais, infelizmente, mas por hoje fico-me por aqui.

Um abraço a todos !
rf

Ah, já me esquecia...não é por dactilografar ou digitar "terra" com T maiúsculo que deixarei de ser tão Paradense como qualquer outro !!!
Enfim, lateralidades!

paradadegonta @ 12:53

Qua, 01/12/04

 

Sem querer alimentar a polémica, até porque nesta temática prefiro o diálogo,a conversa, à escrita acreditando que Parada de Gonta ganhará mais com isso, devo referir ao comentarista rf que os Paradenses, como os outros, gostam de falar da sua Terra (com T maiúsculo). A forma de a apreciar pode variar, tal obra de arte cuja apreciação é tantas vezes subjectiva dependendo de factores intrínsecos ou extrínsecos…! Alimento a liberdade de apreciar as belezas que ao Poeta inspiraram os belos Poemas que deixou. E se o quadro era belo na época, continuo a achá-lo agora! Com censos e bom senso, qual a comunidade rural que apresenta nos dados estatísticos referidos, índices elevados de aumento da população jovem? (presume-se que é aos recursos humanos que o adjectivo se refere). É que Parada de Gonta também tem televisão há algumas décadas… e, com ar mais sério, sabemos que há fenómenos significativos a considerar, nomeadamente o migratório. Muitos dos seus filhos não estão por cá, para engrossar a estatística dos mais tenros, como sabemos!
… O que se «está a tornar» é porque já começou! Não partilho da afirmação nem, por isso mesmo, do modo e do tempo…nem do aconchego das aspas, porque estas “farsam” ou “disfarçam” de acordo com o agrado ou desagrado de quem as quer usar. Ou será que a língua Portuguesa é mesmo traiçoeira?!
De «feia»… para «feinha». Nem assim alinho no adjectivo. É que Parada de Gonta somos todos nós!

ZC @ 22:55

Ter, 30/11/04

 

Agostinho nem mais...

Agostinho quer saber mais. @ 19:27

Ter, 30/11/04

 

Também estou de acordo contigo ZC,no conteúdo do Whiskey!O conteúdo de uma discussão também tem o seu interesse, concordas comigo?

ZC com fome @ 19:23

Ter, 30/11/04

 

Por outras palavras, o que interessa é o conteúdo e não a quantidade...

ZC com fome @ 19:22

Ter, 30/11/04

 

"...garrafa da whiskey, para uns está meia cheia para outros meia vazia."
O Whiskey tem é que ser bom... O resto logo se vê!

Agostinho quer saber mais. @ 18:35

Ter, 30/11/04

 

Ora aqui está!Uma boa discussãozinha é até óptima para desenferrujar os neurónios que se vão acomodando com o passar dos tempos."Velhinha e feia",hum!Moderna é que não.Tudo depende da forma como se entende a beleza e o que é velhinho...é como a história da garrafa da whiskey, para uns está meia cheia para outros meia vazia.

rf @ 16:53

Ter, 30/11/04

 

Boa !!! Acho que dei no "sitio"...rsrsrs !

Será que poderei ter desencadeado aquilo que é normal em Paradenses, ou seja, falar e polemicar sobre a sua "fresca aldeia formosa" ?

Desculpem-me lá os "tachistas" mas não dispenso uma única oportunidade para, também, meter a minha "colherada" em defesa da minha terra.

Afinal, parece-me que é o desiderato que a todos nos une...a não ser que alguem se faça refletir no poema (1º de Dezembro de Thomaz Ribeiro)

Isso é mau?! Não é, pois não ?

Então vamos lá... (por capítulo como nas telenovelas, rsrsrsr!)

É obvio que não "classifiquei" a minha aldeia de " velha e feia". Aliás, o modo e o tempo como a fase é gramaticalmente construída, (...está a tornar-se...), é clara.

Além disso foi escrita, propositadamente, entre aspas... sabem o q significa, de certo ?!

Mas, o risco é evidente...

Consultem e comparem os "Censos" entre 1991 e 2001 e constatarão o que acabo de afirmar. Não está a ficar velha?

Vejam o ordenamento...

E que tal, não está a ficar feiinha ?

Mas há mais, muito mais...fica prá próxima !

Vamos lá, vamos lá, com boa vontade vamos falar sériamente, sem tabús nem entraves mentais, da nossa terra de que todos nós gostamos muito.

Não sou polémico, no sentido mais "conspirador" do termo, mas não fujo a uma discussãozinha por mais "académica" que ela seja (feitios!).

Tenho para mim que um povo, um país ou uma região é tanto ou mais evoluída quanto a sua capacidade de discutir e reivindicar!

Um abraço !
rf